Av. Paes de Barros

A avenida Paes de Barros, a mais importante do bairro Mooca, recebeu esse nome em homenagem a Rafael Aguiar Paes de Barros. A princípio chamava-se  Av.  Dr. Raphael de Barros.

Filho do senhor “Capitão-Mor”, Bento Paes de Barros e da senhora Leonarda Aguiar de Barros, Rafael nasceu na cidade de Itu, interior de São Paulo na data de 28 de Dezembro de 1835.

Seu pai o senhor Bento Paes de Barros foi um dos primeiros Barões da cidade de Itu – SP.
Rafael fez seus primeiros anos de estudos na pequena e pacata cidade onde havia nascido, mais tarde, transferindo-se para São Paulo, capital, matriculou-se na Faculdade de Direito de São Paulo onde se tornou bacharel em direito no ano de 1858.

Avenida Paes de Barros em 1959

Nesta mesma época seu pai o envia para a Europa, mais precisamente para a Inglaterra, onde a intenção era a de buscar modificar o extremismo político do jovem Rafael. Já em solo inglês, Rafael conhece o “Turfe”, esporte a cavalo muito tradicional no continente europeu.

Rafael foi casado com a senhora Francisca de Azevedo Barros, com a qual teve dezesseis filhos.
Após alguns anos Rafael volta para o Brasil, e através da união entre primos e amigos criam no ano de 1875 no bairro Mooca – cidade de São Paulo o Hipódromo Paulista, onde mais tarde, no ano de 1871, passa-se a ser chamado de Jockey Club de São Paulo.

Rafael de Barros além de fundador foi também o primeiro presidente do clube, vale ainda salientar que o Jockey Club de São Paulo foi construído em terras de sua propriedade, localizadas no bairro da Mooca.
Devido à enorme paixão pelo esporte e principalmente pelos cavalos, Rafael foi o iniciador da criação de cavalos puro sangue inglês na cidade de São Paulo.

Outro fato marcante na vida do Dr. Rafael de Barros era que ele professava o abolicionismo, do qual participou e assinou a famosa Convenção Republicana de Itu em 1873.

Em pleno regime monárquico Dr. Rafael elege-se vereador pelo partido Republicano Paulista. Na mesma época preside a Sociedade Promotora da Imigração e ajuda a fundar o jornal “A Província de São Paulo”, hoje “O Estado de São Paulo”.

Dr. Rafael tornou-se Diretor do Museu Provincial no ano de 1877, e em 1878, juntamente com o senhor Joaquim Egydio de Souza Aranha, “O Marques de Três Rios”, unira-se para a abertura de uma empresa cujo objetivo era o de canalizar as nascentes da Cantareira para que fosse feito o abastecimento de água na Capital. Dr. Rafael de Barros foi também provedor da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, fato esse ocorrido entre os anos de 1886 e 1889.

Avenida Paes de Barros sendo asfaltada