FAMÍLIA AGARELLI

A história da família Agarelli no Brasil começou a ser escrita da mesma forma que a de milhares de italianos que para cá emigraram fugindo da delicada situação econômico-social atravessada pela Itália no final do século XIX e início do século XX.

Assim é que o patriarca Sérgio Agarelli, nascido em 1866 na cidade de Taranto, na região da Puglia, sul da Itália, embarcou no Porto de Genova, no navio Minas, em 31/08/1901 com destino ao Brasil, acompanhado de sua esposa Addolorata Galeone e dos filhos Rafael, Lucia e Angelo, aqui desembarcando no porto de Santos 22 dias depois, ou seja , em 22-09-1901.

Em 1903, o casal teve uma outra filha aqui no Brasil, de nome Joanna que, posteriormente emigrou para os Estados Unidos, morando na cidade de Philadelphia, onde ainda vivem seus filhos, netos e bisnetos.

No mesmo navio veio o seu cunhado e conterrâneo, Michele Magrisi, juntamente com a esposa Maria Concetta Galeone e seus filhos Emma Elena , Adolpho e Alfredo, deixando o seu primogênito Pietro na Itália.

Castel Sant’Angelo -Taranto – Itália
Fonte: www.tarantoweb.it
Família de Sérgio Agarelli
Fonte: Arquivo Portal da Mooca
Família de Joanna Agarelli nos Estados Unidos
Fonte: Arquivo Portal da Mooca

Praticamente todos os imigrantes que chegavam ao Brasil naquele período destinavam-se a suprir a carência de mão de obra nas lavouras, sendo encaminhados, logo após a sua chegada, para fazendas no Interior do Estado.

Com as famílias Agarelli e Magrisi não foi diferente e, assim, logo estavam sendo conduzidos de trem da Hospedaria dos Imigrantes para a Fazenda de Carlos Andrade , na cidade de Rincão-SP. Assim como muitos patrícios, alguns anos depois as duas famílias transferiram-se para a cidade de São Paulo escolhendo o Bairro da Mooca para fixar sua residência, mais especificamente na Rua dos Trilhos.


OS AGARELLIS COMEÇAM A INFLUIR NA HISTÓRIA DA MOOCA


Bem, a história de Sérgio Agarelli não é nada diferente da grande maioria dos imigrantes, inteiramente dedicado ao trabalho, nada havendo que o destacasse. Todavia, a presença da família na história começou a despontar com a esposa de Sérgio, Addolorata, parteira responsável pelo nascimento de centenas de crianças, partos esses efetuados geralmente nas próprias casas, como era comum à época.

Era muito difícil encontrar, na Mooca, uma criança que não tinha nascido pelas mãos da “nonna Addolorata”, que, obviamente, se tornou uma figura muito popular no Bairro.

Trem com destino ao interior
Fonte: Arquivo Memorial do Imigrante
Sérgio Agarelli e família, na janela de sua casa na Rua dos Trilhos, que ainda existe
Fonte: Arquivo Portal da Mooca

Mas, a grande participação dos Agarelli na história da Mooca ocorreu por intermédio de Angelo Agarelli, um dos filhos de Sérgio e Addolorata.

Angelo chegou ao Brasil com apenas um ano de idade. Talvez por isso tinha hábitos e atitudes diferentes dos italianos : era calmo, falava baixo e modos tranqüilos. Desde jovem destacou-se pelo seu despreendimento, participando de inúmeras entidades beneficentes e esportivas, que lhe proporcionaram, além da satisfação pessoal, um grande prestígio, sendo constantemente alvo de homenagens

Família de Angelo Agarelli
Fonte: Arquivo Portal da Mooca

Justamente em função dessas atividades, Angelo Agarelli,recebeu inúmeras homenagens e reconhecimentos, dentre os quais o título de “Cidadão Honorário da República de San Marino” (pequeno País vizinho da Itália) e de “Cavalieri”, outorgado pela “Sacro Imperiale Ordine Constatiniano Nemagnico de Santo Stefano”, de Nápoles-Itália.
Parece história de novela, mas Angelo Agarelli casou-se com sua prima Josefina, cuja mãe, Emma Elena, como já citamos anteriormente, veio no mesmo navio proveniente da Itália. O casal teve três filhos : Sérgio Neto, Conrado e Angelo Eduardo.


ANGELO AGARELLI PARTICIPA DA FUNDAÇÃO DO JUVENTUS


Foi no esporte, todavia que Angelo Agarelli prestou sua grande colaboração. Juntamente com um pequeno número de amigos participou da fundação do Clube Atlético Juventus, agremiação que veio a alcançar enorme prestígio a nível estadual, nacional e, até internacional, Clube ao qual se dedicou com afinco, como diretor, por longos anos, em épocas em que os diretores dos clubes colocavam dinheiro do próprio bolso para sustentar as suas atividades

Agarelli foi um grande aficionado do ciclismo, dirigindo esta atividade no Juventus na década de 30, onde conseguiu montar uma forte equipe, vitoriosa em inúmeras competições. Foi também diretor da Federação Paulista de Ciclismo, recebendo a honra de, por várias vezes, “dar a bandeirada de chegada” na tradicional competição de 9 de Julho, promovida anualmente pelo Jornal A Gazeta Esportiva.

República de San Marino
Fonte: Arquivo Portal da Mooca
Equipe de Atletismo do juventus
Angelo Agarelli (Em pé, 1º da direita)
Fonte: Arquivo Portal da Mooca
Equipe de Ciclismo do juventus – 1940
Angelo Agarelli (Em pé, 1º da esquerda)
Fonte: Arquivo Portal da Mooca

Era tão grande a paixão pelo Juventus que, dez minutos após nascer Angelo Eduardo, seu filho caçula, o orgulhoso pai dirigiu-se imediatamente para o Juventus para inscreve-lo como associado. Ou seja, o garoto foi registrado no Juventus antes do registro civil. Fato digno de registro no guiness book !

Aliás, essa paixão pelo Juventus sempre foi uma característica de toda a família Agarelli.João, sobrinho de Angelo, morou nos Estados Unidos, onde serviu a Marinha Americana. Não é que numa determinada ocasião ele hasteou a bandeira do Juventus num navio de guerra americano…. Naturalmente, foi punido por isso. Punido, mas feliz porque o seu Juventus se tornou conhecido por todos os marinheiros.


TAL PAI, TAL FILHO


Como não podia deixar de ser, os filhos de Angelo trilharam o mesmo caminho. Conrado foi atleta da equipe de basquetebol e exerceu o cargo de Diretor por várias gestões. Mas foi Sérgio, integrando a Diretoria até o seu falecimento, ocorrido em 1980, quem teve uma participação marcante nos vários departamentos do Clube.

Sérgio Agarelli Neto, dono de uma memória fabulosa e de um profundo conhecimento sobre futebol e, obviamente, em especial sobre o Juventus, foi convidado a participar de programas de televisão onde se realizava competição de conhecimento entre representantes de clubes. Além disso, era comum ser procurado por jornalistas esportivos subsidiando-os com informações históricas do esporte.

Como reconhecimento pelos relevantes serviços prestados e pela sua importância na história do Clube, o Juventus prestou uma merecida homenagem póstuma atribuindo o nome de Sérgio Agarelli para o prédio onde se localiza a concentração dos atletas, localizada junto ao seu estádio na Rua Javari.

Por sua vez, Angelo Eduardo, o filho mais novo de Angelo Agarelli, dando seqüência a esse aspecto participativo típico desta família, integra um projeto de valorização do Bairro, projeto do qual faz parte a criação deste site “Portal da Mooca”.

João Agarelli em navio de guerra americano
Fonte: Arquivo Portal da Mooca
Sergio Agarelli Neto(1º direita) observando obras do Salão de Festas do Juventus
Fonte: Arquivo Portal da Mooca
Festa dos 90 anos da chegada dos Agarelli no Brasil
Fonte: Arquivo portal da Mooca
Árvore genealógica da família Agarelli