FAMÍLIA ROMANO

Quando tomou a decisão de emigrar para o Brasil, Pasquale Romano, naturalmente, tinha como objetivo proporcionar à sua família uma vida melhor do que aquela que estava vivendo na Itália e, até quem sabe, fazer alguma fortuna. Mas, certamente, jamais poderia imaginar que viria a contribuir de algum modo com a história de sua nova terra.

Assim é que Pasquale Romano, nascido em 7 de fevereiro de 1860 na cidade de Trentola Ducenta, Província de Caserta, vizinha a Nápoles, região da Campania, no sul da Itália, embarcou no navio Equità, com destino ao Brasil, no Porto de Nápoles, em 25 de dezembro de 1901, acompanhado de sua esposa Maria Nicoletta Basile e dos filhos Maria Felicia, Maria Paola, Maria Michela, Maria Rotonda, Lorenzo, Angelina e Vincenzo, aqui desembarcando no porto de Santos 25 dias depois, ou seja , em 18 de janeiro de 1902.

Cidade de Trentola Ducenta-Itália
Fazenda Francisco Schimidt (Ribeirão Preto)
Fonte:Arquivo família Romano

Mas, nós vamos deslocar a história da família Romano para um de seus filhos, o Vincenzo Romano que, teve o seu nome abrasileirado para Vicente. Nascido em 18 de julho de 1886 na mesma cidade de seu pai, Vicente ajudou a construir a história da Mooca. Seus netos diziam que para o “nono Vicente” foram três as coisas mais importantes a que se dedicou durante toda a sua longa vida : a família, seu emprego no Cotonifício Crespi e o Clube Atlético Juventus. A família sempre esteve em primeiro lugar. Era ponderado, atencioso com todos, embora muito reservado, falava pouco mas de uma forma engraçada com seu sotaque greco-italiano, típico da cidade onde nasceu.Casou-se com Bertha Kern (descendente de suíços e alemães) em 12 de junho de 1907 e tiveram 6 filhos : Pasquale, Nicolino, Rosina, Pasqualina, Julieta e Augusto Vitor, este adotivo.

Era um patriarca nato. Bastava um olhar e todos sabiam o que queria, não precisava fazer duas vezes o mesmo pedido. Seu prazer era ver a família ao seu redor nas datas comemorativas. Sempre queria todos juntos. Era muito meticuloso e gostava de ver a mesa bem arrumada e nada podia faltar para uma boa comemoração: um bom vinho, a porpeta e o macarrão de sua esposa Bertha. Postava-se à ponta da mesa e iniciava as comemorações com as suas palavras sagradas:COMANAHM… BEBANAHM…E… DURMANAHM (comam, bebam e durmam).

Todos dizem que o “nonno” tinha a receita da longa vida : tomava e fazia os filhos tomarem, antes do café da manhã, uma colher de óleo Bertoli e no almoço e no jantar um copo de bom vinho. Sempre foi muito trabalhador, nunca tirou férias, tendo se dedicado ao Cotonifício Crespi, seu primeiro emprego, por mais de 50 anos.Começou em 1902, ainda menino, como tecelão, onde conheceu aquela que veio a ser sua esposa. Graças a sua dedicação e competência, tornou-se homem de confiança e amigo do Conde Rodolfo Crespi e de seus filhos.

Pasquale Romano
Fonte: Arquivo família Romano
Família de Vicente Romano
Fonte: Arquivo família Romano
VICENTE ROMANO FUNDA O C. A. JUVENTUS


Em meados dos anos 20, Vicente Romano juntamente com outro funcionário do Crespi, Manoel Vieira de Souza, fundou um clube que levou o nome de “La Greca” – que significa a grega ou a Grécia – nome este que tinha ver com a sua região de origem, domínio grego durante muitos séculos.

Naturalmente, Vicente foi eleito Presidente do Clube e estabeleceu sua sede num barracão existente no fundo de sua casa, na Rua dos Trilhos, onde eram realizadas as reuniões. Como também era comum nos chamados times de várzea, competia a Dona Bertha lavar os uniformes dos atletas após os jogos.

Alguns anos depois o “La Greca” veio dar origem ao Clube Atlético Juventus, figurando o “sêo” Vicente como um de seus fundadores e ao qual se dedicou de forma apaixonada praticamente até seu falecimento, ocorrido em 29 de outubro de 1975.

Como justo reconhecimento da parte de seus amigos, assim como do clube de seu coração, da Prefeitura e da Câmara Municipal de São Paulo, recebeu como homenagem póstuma a atribuição de seu nome para uma rua situada no Parque da Mooca : Rua Vicente Romano.

Vicente Romano
Fonte: Arquivo família Romano
Berta Romano
Fonte: Arquivo família Romano

Um de seus netos, de nome Vicente Romano Neto, herdou não só o seu nome mas, também, grande parte de suas qualidades, sendo hoje uma figura de destaque na Mooca, além de um profundo conhecedor da história e de histórias do Bairro e do Juventus, Vicente Neto tem estado em evidência ultimamente por ter sido testemunha ocular do famoso gol do Pelé no Estádio do Juventus.

Tido como o mais bonito gol da carreira do Rei do Futebol, fato este que tem levado inúmeros jornais, revistas e emissoras de televisão a procurá-lo para relatar com detalhes aquele momento histórico para o futebol.Por tudo que representa para a nossa comunidade, o “Portal da Mooca” presta aqui uma justa homenagem à família Romano.

* Nossos agradecimentos a Vicente Romano Neto.

Vicente Romano sendo entrevistado pelo Portal da Mooca
Fonte: Arquivo Portal da Mooca